Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios. Si continúa navegando, consideramos que acepta su uso. Puede obtener más información en nuestra política de cookies.

restauración

ficha técnica

CRÓNICAS DA TERRA LONGE
CRÓNICAS DA TERRA LONGE
(edición digital)
2015
444
978-989-51-4047-3
Unspecified
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

Este livro, «Crónicas da Terra Longe», de Luiz Andrade Silva, resulta da compilação de uma diversidade de textos publicados na imprensa cabo-verdiana e estrangeira, como também de algumas intervenções públicas no âmbito de iniciativas promovidas pelas comunidades cabo-verdianas radicadas no estrangeiro. O conteúdo desta obra circula à volta da temática da emigração, mas sem deixar de abrir espaço, aqui e além, para a abordagem de questões atinentes à cultura, ao desporto e outros assuntos candentes da vida cabo-verdiana. Dir-se-á que tinha de ser assim porque o fenómeno da emigração aglutina tudo o que substancializa a existência de um povo. Com efeito, o homem cabo-verdiano emigra mas leva com ele o seu imaginário e o seu património cultural e, embora dotado de aptidão natural para se integrar e conviver pacífica e harmoniosamente com os povos estrangeiros que o acolhem, ele jamais deixa de ser o que é, nunca perde os liames da sua vincada consciência identitária. Embora capaz de assimilar facilmente uma cosmovisão que o habilita a enriquecer o seu espírito e a superar as suas limitações, o cabo-verdiano jamais perde a bússola da sua própria geografia mesmo que milhares de léguas o separem das suas ilhas. Luiz Andrade Silva é autor, mas é simultaneamente personagem activo das vivências e factos que relata, analisa e critica, com o peso e a medida que lhe conferem a sua vasta experiência de vida e o apetrechamento cultural que aperfeiçou precisamente no país que o acolheu como emigrante ? a França. Ao emigrar para a França em 1968, Luiz Andrade Silva seguiu o mesmo itinerário para Pasárgada que outros percorreram antes dele. Mas fê-lo imbuído e cônscio das referências sociológicas com que Baltasar Lopes da Silva reinterpretou a alegoria poética do brasileiro Manuel Bandeira. Na verdade, Luiz Andrade Silva foi para a «terra longe» não para se evadir lunaticamente em busca de uma felicidade fictícia, mas para ali instalar o proscénio de uma luta tenaz a favor das comunidades emigrantes, em particular, e dos seus irmãos cabo-verdianos, em geral. Se os políticos nem sempre, ou raras vezes, afinam o diapasão da sua agenda com as muitas e válidas propostas e sugestões de Luiz Andrade Silva, a verdade é que em momento algum ele afrouxa o seu ânimo e motivação para continuar a dar o melhor de si por Cabo Verde e pelo seu povo. Adriano Miranda Lima


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias