Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios. Si continúa navegando, consideramos que acepta su uso. Puede obtener más información en nuestra política de cookies.

restauración

ficha técnica

DEUS TUPã
DEUS TUPã
(edición digital)
2016
198
978-989-729-170-8
Epublication content package
Portuguese
5,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

Si

sinopsis

Romance histórico, ficção e realidade, a História e estórias, colonizador e colonizado, portugueses e indígenas em antagónicos apelos à exclamação. Uns invasores; outros, canibais. A desventura com a chegada de Mem de Sá ao Brasil em 1552; seu amigo, bispo Sardinha, assado e comido na praia, em frente aos navios de bandeira que impávidos ao largo avistaram a cena. D. João III, O Piedoso, herdeiro de império colossal de D. Manuel I, despreparado para deixar um país em ruínas a seu neto, Sebastião - ainda O Desejado, dono do trono aos 3 anos -, informa-do do ato de canibalismo dos indígenas perdeu a cabeça.Lá, Sinã, cacique da tribo dos pitiguares, aclamado entre parentes pelo nome de Luz Lilás , reuniu na oca central, pintaram-lhe o rosto com traços ainda mais firmes, a geometria dos signos direcionada a Tupã, seu Deus por natureza, protetor da consciência que arcos e flechas fragilizariam perante o número de canhões acabados de aportar em Acajutibiró terra de caju azedo - denominada pelos portugueses Baía da Traição. Quatrocentos e cinquenta anos após, DuArte, português de Coimbra, encontrou Itapuã até às entranhas; o destino à mercê do sangue. O jeito da índia, resoluta, sensação de dejà vu e profunda atração. Olhar selvagem, cabelos como as ondas do mar; em ambos os apurados sexto sentidos. O português tinha mais 22 anos, vinha de percorrer outros mundos e isso poderia ser obstáculo. Nada os dissuadiu. No dia do casamento, tribal e católico, quando a pagé, a feiticeira, se abeirou do pároco, de DuArte e de Itapuã, o insólito resplandeceu.


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias