Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios. Si continúa navegando, consideramos que acepta su uso. Puede obtener más información en nuestra política de cookies.

restauración

ficha técnica

DIÁRIO DE UM QUIOSQUE
DIÁRIO DE UM QUIOSQUE
(edición digital)
2014
282
978-989-51-1696-6
Unspecified
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

Do interior da grandeza dos seus escassos 6 metros quadrados, há um quiosque que não se limita a vender jornais e revistas. Soltando-se do rótulo de típico elemento urbanístico, ultrapassando o seu complexo de inferioridade, conquistando vida própria e adquirindo a personalidade que só os pequenos-grandes quiosques ousam almejar, há um quiosque que retrata em palavras o que vive à sua volta. Um quiosque pequeno, é certo, mas com sentimentos. A provar o que todos sabiam mas que ninguém ousara ainda afirmar: os quiosques também têm diários. ?Por vezes sinto-me obrigado a desconfiar que tudo isto não passa de um super big brother, uma mega produção de apanhados que irá para o ar dentro em breve. De facto, as peças começam a encaixar. A forma entusiástica como literalmente me empurraram para o negócio, numa altura em que duvidava da sua viabilidade, mas que mesmo assim me fizeram avançar. O senhor que na falta do Expresso, levou o Jornal do Sexo. A velhinha que à força me queria comprar um saco de milho. O puto que se barricou dentro do quiosque, numa tentativa desesperada e fracassada de escapar a uns tabefes do pai. O dia em que a M., nos poucos minutos que me substituiu, despachou toda a remessa do jornal Ocasião, pensando tratar-se de um jornal de anúncios gratuito. O contingente da EDP que procurava luz e descobriu um porão. Enfim, há aqui material mais que suficiente para um pack de 12 episódios de apanhados, em que o apanhado sou eu. Agora é tarde. Assim de repente, relembro as vezes em que levei o dedo ao nariz (por vezes dois dedos!), em que anulei comichões abaixo da cintura, em que persegui rabos com o olhar. Pergunto ao meu médico se tudo isto não passa da minha imaginação. Não diz que sim nem que não. Para ele, trata-se de um mecanismo de defesa, próprio das pessoas super inteligentes.?


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias