"Esta web utiliza cookies para facilitar la navegación por ella y para realizar análisis de su uso, incluida la elaboración de perfiles de navegación con fines publicitarios. Si continua navegando, consideramos que acepta su instalación. Para obtener información detallada sobre las cookies que utilizamos, incluyendo cómo configurar su navegador para rechazarlas, pulse aquí."

restauración

ficha técnica

DO MAPA COR DE ROSA À EUROPA DO ESTADO NOVO
DO MAPA COR DE ROSA À EUROPA DO ESTADO NOVO
(edición digital)
2015
514
978-989-51-1966-0
Epublication content package
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

Do Mapa Cor-de-rosa à Europa do Estado Novo abarca o período entre 1871 a 1939, com um tronco comum - a unificação da Alemanha por Bismarck e a sua emergência como potência económica, procurando ser contrapoder à pax britannica. Até 1913, esta Alemanha verá as suas exportações aumentarem 250%, o triplo da Grã-Bretanha! Mais de 60 % deste estudo baseia-se em despachos diplomáticos investigados no Arquivo do Ministério dos Negócios Estrangeiros, e passa em análise o último quartel do século XIX peninsular, a nova geopolítica de África saída da Conferência de Berlim em 1885 e, as influências prussianas no dossiê Mapa cor-de-rosa. Fala-se da bancarrota portuguesa de 1892 e das repúblicas do Transval e Orange pretenderem comprar parte da dívida pública portuguesa? Surge entretanto a guerra anglo-boer, onde o jovem Winston Churchill é prisioneiro de Pretória, na qualidade de repórter do Morning Post. O tema tem implicações transversais à doutrina Monroe, quando os EUA despojaram a Espanha de Cuba, Porto Rico e Filipinas? enquanto os bóeres perdiam a independência. Mas continuava a disputa pela Baia dos Tigres (sul de Angola), e pela Delagoa Bay (Lourenço Marques), onde por duas vezes esteve iminente um conflito à escala mundial. A paz seria salva pela acção diplomática do rei D. Carlos I e Luís de Soveral, seu embaixador em Londres. Destaque para o dossiê internacional sobre o colonato judeu para Angola, aprovado pelo parlamento da República em 1912 e suspenso devido à Primeira Guerra ?e retomado nos Anos 30 pela Ditadura Militar. Descobre-se as figuras de Armindo de Sttau Monteiro e Rui Ennes Ulrich, professores de Finanças Públicas e grandes pilares de Oliveira Salazar., tanto em matéria legislativa, como no campo ministerial e diplomático. Fomos encontrar César Sousa Mendes (irmão gémeo de Aristides Sousa Mendes) como ministro dos Estrangeiros em 1932 e mais tarde embaixador em Varsóvia?quando a Polónia pretendia administrar o hipotético colonato judaico no planalto do Bié! Depois, é a diplomacia portuguesa durante a guerra civil de Espanha, a acção do ministro Armindo Monteiro, anglófilo e estratega na política externa portuguesa, ostracizado? por divergências com Salazar. Inclui também items sobre a Espanha de Afonso XIII; as duras críticas do economista Keynes ao Tratado de Versalhes; a reconversão do marco alemão em 1923 pelo génio Schacht, que recusaria ser chanceler da Alemanha; a Frente Popular e a ascensão de Franco e, sua visão macroeconómica quanto ao futuro de Espanha, fechando com os elefantes brancos do império e o programa Kennedy para Angola.


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias