"Esta web utiliza cookies para facilitar la navegación por ella y para realizar análisis de su uso, incluida la elaboración de perfiles de navegación con fines publicitarios. Si continua navegando, consideramos que acepta su instalación. Para obtener información detallada sobre las cookies que utilizamos, incluyendo cómo configurar su navegador para rechazarlas, pulse aquí."

restauración

ficha técnica

ELAS DO AVESSO
ELAS DO AVESSO
(edición digital)
2017
202
978-989-51-9595-4
Epublication content package
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

«Porque, como os pesadelos, os sonhos também nos arrancam do sono. Do sono de não fazer, de ser assim-assim. Do sono de seguir a norma e de fazer tudo igual e sem barulho. Do sono de manter tudo sossegado. (...) Gosto de ter escolha. Gosto de virar tudo do avesso. Gosto de chorar e de ter medo que as coisas não resultem. Gosto, porque isso é entregar. (...) Um dia, acordamos do sono em que deliberadamente nos induzimos e vemos que viver é algo de muito sério, que Ser feliz é mesmo algo muito, muito sério e, sobretudo, que nos devemos isso. Depois, começamos a aproximarmo-nos de nós... devagar (como quando fazemos amor, ou descobrimos um corpo, devagar, com cuidado... porque isto é a arte de nos amarmos). Começamos a abeirar-nos de nós. (...) E descobrimos uma claridade que nos manda para outro lugar qualquer. Fora do mundo, dentro dele. Não sei. Fora do mundo pequenino em que, às vezes, nos enganamos e escolhemos para viver. (...) Os comboios versam sempre mudanças de estado, passagens de um lugar para outro lugar. E, dentro, cruzam pessoas, as vontades, os desejos, as intenções e os sonhos... mas também as aflições, os pensamentos maus, os medos. E mostram-nos que tudo passa... tudo anda, mesmo sobre ferros sujos. Anda, porque tem de andar. (...) Mas mesmo o mar precisa dos meus olhos para ser Deus; ou eu preciso de o saber ver como Deus para ser salva.»


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias