"Esta web utiliza cookies para facilitar la navegación por ella y para realizar análisis de su uso, incluida la elaboración de perfiles de navegación con fines publicitarios. Si continua navegando, consideramos que acepta su instalación. Para obtener información detallada sobre las cookies que utilizamos, incluyendo cómo configurar su navegador para rechazarlas, pulse aquí."

restauración

ficha técnica

ENXERTO
ENXERTO
(edición digital)
2017
122
978-989-51-8571-9
Epublication content package
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

Alguém já disse que a poesia costuma brotar no terreno baldio da imaginação, e sua colheita é feita por aqueles, cujas janelas, são metade sol, metade penumbra. Luzes e sombras na mítica Janela do Tempo. A poesia é um jogo de pincéis e esquadros, que tingem transversalmente as paisagens do nosso dia a dia. Mas o poema, fruto dessa colheita, não serve se requentado, o poema é para ser servido inquieto, em fogo ardente, mesmo quando traz em seu bojo, uma centelha de ternura e suavidade. O poema é como um filme para cegos, quando o ?mundo que vê? é dominado por desejos superficiais, pela ambição e pela ignorância. Há que se lançar no escuro para se chegar à alma do poema, há que tatear na palavra, para desvendar a verdadeira natureza da consciência transitória, quando cada momento da vida se precipita sobre nós, como signos em constante mutação. É dessa matéria que trata Enxertos, o livro que você tem nas mãos, é um compêndio do que há de mais frutífero no pomar da poesia, um passeio por caminhos e paisagens atemporais, a palavra inquieta, emoldurada nos sonhos e na vivência do poeta Nilson Young ,e na arte abstrata e sublime de Salomé Paiva. Enxertos é ouro alquímico triturado e transformado na pedra filosofal de um tempo desvalido, mas que ainda propicia o brotar de rosas na relva rala do dia. Os anos passam, e cravados em nós mesmos, carecemos da faculdade de nos afastar do caminho inscrito na inanidade de nosso cotidiano, por isso, volto às rosas e às folhas da minha relva, ponho Bob Dylan para rolar nos meus headphones, e rendo-me à deliciosa leitura desses tortuosos, mas iluminados ?enxertos?, que são, em verdade, enxertos de mim, de você, de todos nós. (Rubens Stone)


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias