"Esta web utiliza cookies para facilitar la navegación por ella y para realizar análisis de su uso, incluida la elaboración de perfiles de navegación con fines publicitarios. Si continua navegando, consideramos que acepta su instalación. Para obtener información detallada sobre las cookies que utilizamos, incluyendo cómo configurar su navegador para rechazarlas, pulse aquí."

restauración

ficha técnica

FORMA, MATÉRIA E PRESENçA
FORMA, MATÉRIA E PRESENçA
(edición digital)
2015
416
978-989-51-3458-8
Epublication content package
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

Este estudo pretende demostrar, analisar e desenvolver as determinações do conceito de «forma» no período compreendido, grosso modo, entre os anos setenta do séc. XIX e os anos vinte do séc. XX, dedicando uma atenção particular ao período de transição entre os dois séculos. A premissa fundamental da nossa investigação é dada pelas diversas conceptualizações da forma ao longo da história da estética. Esta mutabilidade nas determinações do conceito é verificável a partir da mera consideração da sua centralidade no interior das problemáticas estéticas, já desde a teoria platónica das ideias, passando pela sua caraterização em outros pensadores da Antiguidade, do neoplatonismo aos latinos, e também em filósofos e artistas do Renascimento e da Idade Moderna. A nossa atenção volta-se para um período no qual percebemos uma novidade na referencialidade da forma, que adquire as determinações da materialidade, da presencialidade e da espácio-temporalidade, após uma longa vivência ligada ao ideal, ao imaterial e ao absoluto. Neste período, é o nascimento da história da arte moderna que, na viva discussão acerca do seu objeto e valor, e nos seus esforços para se definir enquanto ciência autónoma, impõe à forma o significado de uma aparência sensível, a partir de uma visão da arte que implica a relação cognitiva entre a forma artística e a sua audiência. Ao mesmo tempo, o impulso de independência desta nova disciplina provocou uma renovação na estética e na teoria da arte. Estas renovações e deslocamentos são constantemente reativados, nos dias de hoje, pelas novidades nos domínios da técnica e da tecnologia, bem como pelo novo paradigma antropológico e cultural que é o «pós-humano». As origens da relação entre a forma, a aparência, a matéria e a presença deixam perceber alguns aspetos fundamentais da deriva atual em direção a uma alienação do sentir e às contaminações entre corpo e «coisa».


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias