Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios. Si continúa navegando, consideramos que acepta su uso. Puede obtener más información en nuestra política de cookies.

restauración

ficha técnica

IN AETERNUM
IN AETERNUM
(edición digital)
2015
394
978-989-51-3034-4
Unspecified
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

Não me creio vivo? Mas que faço eu aqui? Continuando assim a viver neste mundo de trevas sem que a morte me alcance? Afinal, qual é a idade de um morto? Quanto tempo estive vivo ou quantos Invernos gelaram as minhas cinzas? Mas quem sou eu? Procuro-te? A minha pele nívea e luzidia contrasta com o negro e a escuridão de um coração que jamais amou um ser vivo? Vivo onde as lendas se misturam e confundem com o uivar dos lobos, vivo solitário. Desesperado. Vagueio escondido no crepúsculo, roxo e tremendo de frio? O meu coração sangra por ti? Adormeço sempre sentindo o frio e o vazio que as palavras nunca ditas deixaram no meu coração tão só. Acordo gritando por ti desesperadamente. Se pudesse por uma vez apenas, por uma vez mais sentir o veneno dos teus lábios? Nem o canto da mais bela sereia se compara à melodia da tua voz que os corvos ouvem atentamente... Espero pelo dia em que me ouças para de NOVO me poder erguer e vaguear pela noite, deixar o negro do meu sangue correr nas minhas veias. Talvez compreendas? ?Só as noites são eternas? Uma mão lava a outra, as duas lavam o rosto? Numa estranha confissão de um condenado que precedia a sua extrema-unção, enclausurado numa pequena e húmida cela, contada foi esta estória. Os meus olhos trémulos contemplavam a estranha e bela figura, esse alegado demónio que murmurava perante mim as inimagináveis páginas da sua dolorosa vida. Assisti também eu àquele último horror. Uma mão lava a outra, as duas lavam o rosto, diz-se. Choro eu também ao relê-la? A morte, esse fatídico e implacável desígnio, ceifa tudo. Nada se leva, tudo se perde. O poder, a riqueza, a fama, a vida, até a fé, nada será necessário após o fim. Somente as noites são eternas, pois um dia até o sol se apagará, mas o amor, esse, prevalece, enquanto houver noites? ?Maior que a vida, mais forte que a morte? ?Ad eternum, in aeternum? (Para Sempre, pois o amor nunca morre...)


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias