Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios. Si continúa navegando, consideramos que acepta su uso. Puede obtener más información en nuestra política de cookies.

restauración

ficha técnica

MEMÓRIAS DE UMA COPA NO BRASIL
MEMÓRIAS DE UMA COPA NO BRASIL
(edición digital)
2014
180
978-989-51-2336-0
Unspecified
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

A avenida Paulista estava tinindo de bacana, torre de babel à paulista - muito verde e amarelo (sem constrangimentos ou vergonhas, sem pedir licença ou desculpas, ainda bem), torcedores e bandeiras da Croácia, do México, da Bélgica, da Itália, da Colômbia, do Chile, da Argentina, da Costa Rica, do Equador, da Inglaterra. (...) No Castelão, respeitando a história, comecei torcendo para o Uruguai, que saiu na frente. Pênalti. A torcida foi ao delírio. 'Celeste, cada dia te quiero mas'. Aos poucos, o clima mudou. A Costa Rica tomou conta do jogo. Uruguaios calados. Tensos. Camisas vermelhas pulando e cantando. Empate. Ticos, ticos! (...) Quanto está o jogo dos azuis? Minha agonia terminou assim que pude religar o celular, no saguão do aeroporto, em Guarulhos. Mais de 40 mensagens num grupo do uatzap praticamente narravam a partida da França inteirinha. (...) Uma bola estourada por Muslera. O zagueiro inglês salta. Não alcança, só resvala. Suárez filma o lance. Parte. Ganha na corrida. Balaço de direita. "Soooooooy Celeste"! O artilheiro uruguaio pegou pouquíssimas vezes na bola. Resolveu a parada. O cavaleiro templário desabou. Ficou calado, até o final do jogo. (...). Foi quando Messi decidiu que era hora de acabar com aquele tango. Grudou a bola no pé. Cortou para a esquerda. Espaço mínimo. Bateu. Com curva. Vi de frente. Cena de cinema. Quadro aberto. O goleiro pulou. Quase tocou. Não deu. A pelota estufou a rede. Explosão no Mineirão. (...) Luiza e Daniel, depois do terceiro gol da Alemanha, choravam copiosamente. "Pai, é a primeira Copa que estou vendo de verdade. Queria tanto ver o Brasil campeão. Não acredito. O que está acontecendo? O que é isso? Você acha que ainda dá para empatar? O que o Felipão vai fazer? Quem pode entrar? E agora, pai?" (...) O escritor colombiano Gabriel García Márquez dizia que somos aquilo que lembramos. Memórias. As de junho/julho de 2014 vou carregar sempre comigo. Foi uma linda Copa do Mundo no Brasil. Inesquecível.


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias