"Esta web utiliza cookies para facilitar la navegación por ella y para realizar análisis de su uso, incluida la elaboración de perfiles de navegación con fines publicitarios. Si continua navegando, consideramos que acepta su instalación. Para obtener información detallada sobre las cookies que utilizamos, incluyendo cómo configurar su navegador para rechazarlas, pulse aquí."

restauración

ficha técnica

O SONO DOS PÁSSAROS
O SONO DOS PÁSSAROS
(edición digital)
2015
446
978-989-51-4464-8
Epublication content package
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

Nasceu numa aldeia perdida para os lados de Vinhais no Concelho de Bragança, entre o frio das pedras, as geadas e a solidão dos campos, o balir das cabras e dos borregos, a subserviência caprina da mãe e a ignorância besta do pai. Desde cedo descobriu que havia um outro mundo para lá da aldeia onde nascera, de Vinhais, do Rio Tuela, da capital de Trás-os-Montes, de tudo aquilo que lhe parecia perdido nos confins do nada. Que havia um mundo com outras aldeias e vilas, e campos e montanhas, e terras por onde passavam rios, e lugares onde se levantavam grandes cidades, algumas delas encostadas ao mar que nunca vira. Aos dezanove anos abandona a aldeia, os pais, os animais, todo aquele nada e parte para Lisboa para casa de uns tios. Vê-se explorado pelo tio, feirante e comerciante de roupas. Aprende a ?arte? de comprar por uma bagatela e vender com lucro. Por vezes em triplicado. Ao fim de meses tem já vontade de mandar os tios às urtigas mas não tem poder económico para começar uma vida a solo. O ?salário? que o manhoso do tio lhe dá fica quase todo lá em casa. Aos vinte e um anos a tropa chama-o. Dá-lhe uma farda e uma arma, instrução q.b., mete-lhe na cabeça uma série de patranhas e fá-lo partir num rebanho com mais mil cabeças de tipos como ele para Novo Redondo em Angola. Disseram-lhe que estava em jogo a pátria, a honra, a causa, a glória, o raio que os parta.Rapidamente descobre que tinha sido metido numa patranha. Assim que termina o tempo obrigatório de ?servir a causa? entrega a farda, a espingarda, as ideias que lhe tinham enfiado na cabeça, manda a tropa, (e tudo quanto lhe dizia respeito), ?abaixo de Braga? e resolve ficar em África, desconhecendo, como qualquer mortal, o que o futuro lhe reservava. Apaixona-se por África. Depois por uma jovem e bela africana que acaba por engravidar. Torna-se alguém, até que, em Lisboa, acontece o «maldito» e a adversidade toma conta da vida dele. A história de vida de José Diogo Mestre é uma verdade que não se pode (nem deve), esquecer.


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias