"Esta web utiliza cookies para facilitar la navegación por ella y para realizar análisis de su uso, incluida la elaboración de perfiles de navegación con fines publicitarios. Si continua navegando, consideramos que acepta su instalación. Para obtener información detallada sobre las cookies que utilizamos, incluyendo cómo configurar su navegador para rechazarlas, pulse aquí."

restauración

ficha técnica

OS ÓRFãOS DA CONSTITUIçãO
OS ÓRFãOS DA CONSTITUIçãO
(edición digital)
2017
504
978-989-51-7956-5
Epublication content package
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

Diz o autor: ?Como conseguir, pois, que o cidadão, numa sociedade democrática, possa corrigir o seu erro quando votou? A ?censura cidadã? parece a resposta mais eficaz, A legitimidade da atividade política seria alcançada (...) Com o julgamento do político durante o exercício de seu mandato, a Ciência Política teria encontrado, como se rio fosse, a solução para o seu maior desafio até hoje. E a cidadania, o seu leito natural, livre por fim de barragens artificiais, de desvios irracionais, males esses realizados impune e constantemente durante tempo interminável em benefício de uns poucos, como acontece em muitos países que se dizem democráticos.? E, ainda: ?...é muito pouco provável ? se esta proposta de censura estivesse em vigor há bastante tempo ? que os Estados Unidos tivessem tido na presidência do país os Bush, pai e filho. Com certeza, não teria havido pela segunda vez a Guerra do Iraque...? O terrorismo, como culto religioso, não existiria. Quiçá os governantes dos países democráticos seriam outros. Em alguns, como o Brasil e a Espanha, os seus governantes teriam sido destituídos pelos cidadãos por causa da corrupção e o desemprego. ?Em rigor, o que aconteceria seria a criação de uma nova cultura política. As consequências dessa nova realidade na vida humana são quase inimagináveis?. Eleger, sim, mas, também, ?des-eleger, destituir. O voto de des-eleger, que deveria ser um direito tão fundamental como o é eleger, é facílimo de exercer. O cidadão que vota poderia fazer isto, da forma mais pessoal e simples, qualquer dia, em qualquer momento, em qualquer lugar, e com absoluta liberdade. E a democracia, tão doente hoje, teria uma saúde fascinante pela sua capacidade de criar uma nova Era.


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias