Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios. Si continúa navegando, consideramos que acepta su uso. Puede obtener más información en nuestra política de cookies.

restauración

ficha técnica

PENUMBRA SOLIDãO
PENUMBRA SOLIDãO
(edición digital)
2015
210
978-989-51-2303-2
Unspecified
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

Como posso ser poeta se o tempo Necessário ao exercício de mi'a arte Não o tenho - faz-se sempre partilhado C'os labores que a mim são exigidos? Quando a musa bela chega a visitar-me, Inspirando-me o mais perfeito verso, Cesso a escrita e com ela cessa o engenho. Magoada, leva a minha inspiração. Os poetas de outrora (penso eu), Que as mais belas poesias redigiram, Deixariam porventura seus ofícios E à cotidiana ação se entregariam? Posso eu submeter da arte as Musas Ao intervalo das mi'as muitas ações, Obrigando-as a servirem-me apenas No cansaço, quando cessa-me o labor? Tantas vezes companheiras se fizeram, Junto a mim permanecendo todo o dia, Ao ouvido me soprando as palavras Tão perfeitas, que unidas eram versos. Sem poder eternizá-las no papel - Suave brisa - dissiparam-se no ar P'ra - quem sabe? - outro poeta as ouvirem E colher o que eu não pude atentar. Dedicar-se unicamente à sua arte Deveria o que tem alma de artista, Para o mundo enriquecer com a Beleza, Que é centelha da divina Criação. E enquanto o poeta - e todo artista - É envolvido pelo turbilhão do mundo, Toda a humanidade aos poucos se empobrece Pelas obras que a arte não criou.


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias