"Esta web utiliza cookies para facilitar la navegación por ella y para realizar análisis de su uso, incluida la elaboración de perfiles de navegación con fines publicitarios. Si continua navegando, consideramos que acepta su instalación. Para obtener información detallada sobre las cookies que utilizamos, incluyendo cómo configurar su navegador para rechazarlas, pulse aquí."

restauración

ficha técnica

ENSAYO ANTROPOLOGIA
E A NOITE RODA
E A NOITE RODA
(edición digital)
2017
978-989-665-380-4
SIN CODIFICAR
Epublication content package
Portuguese
8,99
(IVA inc)*
  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Imprimible: Prohibido.
Copiar/pegar: Prohibido.
Compartir: 6 dispositivos permitidos.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

Si

sinopsis

Grande Prémio de Romance APE

Uma história de amor impossível germina no momento em que se instala uma nova ordem política no Médio Oriente, com a morte de Yasser Arafat.

«O som entra pelo quarto como um encantador de serpentes, enlaça-nos. Flutuamos sobre Gaza. Somos um.»

«Afinal, esse amor, está onde?»

Ana e Léon conhecem-se em Jerusalém, na véspera da morte de Yasser Arafat. Ana é catalã, repórter e vive sozinha. Léon, também repórter, vive na Bélgica, com a mulher e os filhos. Juntos, calcorreiam Israel e os Territórios Palestinianos Ocupados: Gaza, Cisjordânia, Jerusalém Oriental.

Nesses dias de tumulto político, germina um romance intenso e carnal, vivido intermitentemente, pontuado por encontros na Europa - Paris, Mancha, Madrid, Roma, Catalunha - e regressando sempre aolugar onde tudo começou. Os dois adivinham que o romance tem o tempo contado, mas não resistem a acrescentar-lhe dias.

Anos mais tarde, em Damasco, pouco antes de rebentar a guerra síria, Ana conta-nos a história desse amor possível. Escreve «para acabar com a história», escreve «para que a história comece».

«Corremos Gaza de norte a sul no Fiat 127 vermelho do Abed, eu à frente, tu atrás, bananas e goiabas de merenda, depois ele deixa-nos na Marna House. Todos os fins de tarde escrevemos lado a lado no restaurante, eu, tu e muito tabaco. À noite, no quarto, não abrimos a janela como em Agosto porque está demasiado frio, mas, quando não estamos agarrados em cima da cama, estamos agarrados dentro da cama, nus e agarrados como fugitivos.»

Sobre E a noite roda:
«Não há na língua portuguesa quem consiga escrever desta maneira e fazer-nos cheirar o jasmim da cidade santa ou ouvir o grito de uma criança. (...) Alexandra Lucas Coelho entra pelaprimeira vez num território que não lhe conhecíamos - o quarto, a cama, o sexo, o desejo - e todo o potencial da sua escrita feita de cheiros, imagens e descrições explode em possibilidades infindas.»
Sara Figueiredo Costa, Time Out

«A sua prosa é sóbria e depurada.»
Manuel Gusmão, Júri Prémio APE

«[E a noite roda] confirma a vocação experimental desta prosa, mais interessada em encontrar formas possíveis para expor os ossos do mundo do que em vender as miragens dele.»
LER

«Viagem sensorial, com uma linguagem finíssima, seda pura. (...) Um trajeto, enfim, de quem escreve florindo desertos.»
Claudia Nina, O Globo

«A sua linguagem sofisticada, elegante, de um lirismo subtil é já a de uma grande escritora.»
José Mário Silva, Expresso

«E a noite roda faz prova de um lirismo simultaneamente enxuto e transfigurador, em viagem certeira para o coração das coisas.»
Isabel Cristina Rodrigues, Júri Prémio APE

«[Uma escrita] simultaneamente exacta e poética, com um poder de observação invulgar e sem excessos. Uma escrita no osso.»
Carlos Vaz Marques, TSF

Biografía del autor

Com o seu primeiro romance, E a noite roda, Alexandra Lucas Coelho recebeu o Grande Prémio de Romance e Novela 2012 da APE. O segundo, O meu amante de domingo (2014), foi traduzido em França. No fim de 2016, saiu Deus-dará, romance passado no Rio de Janeiro. A autora publicou ainda cinco livros de reportagem-crónica-viagem: Oriente próximo, Caderno afegão, Viva México, Tahrir e Vai, Brasil. Os quatro últimos estão publicados no Brasil, tal como E a noite roda.

Antes de se estrear na literatura, Alexandra Lucas Coelho cobriu várias zonas de conflito como repórter de rádio e imprensa. Foi correspondente, em Jerusalém e no Rio de Janeiro, do Público, jornal onde trabalhou durante vinte anos. Foram-lhe atribuídos vários prémios de jornalismo, incluindo o Grande Prémio Gazeta 2005.


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias