"Esta web utiliza cookies para facilitar la navegación por ella y para realizar análisis de su uso, incluida la elaboración de perfiles de navegación con fines publicitarios. Si continua navegando, consideramos que acepta su instalación. Para obtener información detallada sobre las cookies que utilizamos, incluyendo cómo configurar su navegador para rechazarlas, pulse aquí."

restauración

ficha técnica

E, ENTãO, TUDO ESQUECI
E, ENTãO, TUDO ESQUECI
(edición digital)
2013
110
978-989-736-212-5
CRÓNICAS | CRÓNICAS
PDF
Portuguese
5,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

Si

sinopsis

Culpados, somos todos nós . Ó Portugal, hoje, és nevoeiro? , escreveu Fernando Pessoa, quase no final de a Mensagem. e, então, tudo esqueci nasceu de uma espécie de neblina pessoal e coletiva que, de novo, quase 85 anos depois de produzido o verso de Pessoa, se abateu em todos os cantos e recantos da nossa realidade. Trata-se de uma narrativa ficcional em prosa, dificilmente qualificável, em discurso parabólico, constituída por 21 fragmentos. Cada uma destas peças contém um tributo mais ou menos oculto e faz parte, de alguma forma, de uma ideia geral que conecta - explicita ou implicitamente, individual ou generalizadamente - todas elas. Nino Rota, Jean Duché, Machado de Assis, Nuno Bragança, Nicolau Gogol e Éric Satie são somente algumas das personalidades subliminarmente homenageadas. Talvez este livro possa deixar a imagem de uma alegoria circense da existência humana, em que todos, e ao mesmo tempo, fossem vistos como palhaços ricos e palhaços pobres, equilibristas, malabaristas, acrobatas, contorcionistas, ilusionistas, domadores de feras (ou o seu alimento) de um círculo mágico descomunal, distraidamente administrado por um responsável supremo que, no fim de contas, parece nem sequer ser necessário. E mais: talvez possa, também, ser contemplado como uma firme afirmação de resistência às doutrinas da inevitabilidade, da irreversibilidade, da ausência de alternativas, do pensamento único que, agora, voltam a impregnar toda a sociedade, tal qual a gordura que brilha na fronte ou o muco que escorre, impercetivelmente, de algum orifício, dito natural, do corpo.


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias