"Esta web utiliza cookies para facilitar la navegación por ella y para realizar análisis de su uso, incluida la elaboración de perfiles de navegación con fines publicitarios. Si continua navegando, consideramos que acepta su instalación. Para obtener información detallada sobre las cookies que utilizamos, incluyendo cómo configurar su navegador para rechazarlas, pulse aquí."

restauración

ficha técnica

NAS ENTRELINHAS DA LUA
NAS ENTRELINHAS DA LUA
(edición digital)
2018
266
978-989-52-1941-4
Epublication content package
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

Disse-lhe, num momento de intimidade que a emocionou, que a vida, afinal, nunca acaba. Ele acreditava que as emoções eram eternas, por serem transmitidas de e para os outros, como as oscilações circulares dos lagos, quando neles cai uma pedra? ou uma flor. No fundo, mais do que a História, o conhecimento ou as realizações mais ou menos materiais que edificamos, ele acreditava que era isso que ficava ? a emoção, o amor e a entrega. Para ele, seria isso que gerava o sentimento de pertença e criava a realidade que nos situa no tempo e na nossa história de vida. Defendia que há medida em que envelhecemos, a vida se tornava mais rápida e os anos passavam mais depressa e que isso aconteceria porque iriamos acrescentando memórias e o nosso percurso relativo se tornava mais longo. Talvez fosse por isso ? acreditava - que o Pessoa terá dito que o melhor do mundo são as crianças; por terem todo o potencial de uma viagem pela frente, como quanto se manda um objecto ao ar e ele irremediavelmente acaba por cair-nos de novo nas mãos, mais tarde ou mais cedo. Mas, para ela, Pessoa era um louco, desequilibrado e egocêntrico, que via tudo através do seu próprio umbigo e que se esquecera que os anciões trazem consigo o tesouro dos infinitos momentos. É que a vida era tão mágica, que fosse qual fosse a nossa idade e circunstância, poderia acabar de repente, mas só acabaria quando realmente acabasse ? até aí? era vida, tivesse começado há cinco ou há noventa e cinco anos. Afagando-lhe o olhar com o seu, ela segredou-lhe mais uma vez ao ouvido, entre outras palavras imperceptíveis, que tinha ainda guardadas muitas jóias para acrescentar ao tesouro que ambos iam construindo. Ele aparou-lhe os contornos da pele do rosto com as costas de um dedo solto e respondeu-lhe que guardaria todos esses momentos na fímbria do infinito.


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias