"Esta web utiliza cookies para facilitar la navegación por ella y para realizar análisis de su uso, incluida la elaboración de perfiles de navegación con fines publicitarios. Si continua navegando, consideramos que acepta su instalación. Para obtener información detallada sobre las cookies que utilizamos, incluyendo cómo configurar su navegador para rechazarlas, pulse aquí."

restauración

ficha técnica

RIMAS DAS MINHAS INSÓNIAS
RIMAS DAS MINHAS INSÓNIAS
(edición digital)
2018
322
978-989-52-0826-5
Epublication content package
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

Muitos dos críticos da poesia actual que se querem dar ares de modernos e de severos, entendem que deixou de haver lugar para os versos rimados, face à explosão libertadora do verso branco ou livre, em que o poeta espraia a sua expressão poética sem as peias da rima. Mas, na verdade, a poesia não receia nem repudia qualquer forma; e serve-se abertamente em rima, em verso solto, em prosa poética, em aliterações e sonoridades, e até em imagens, no caso das experiências concretistas e/ou da poesia visual. Creio que não valerá a pena citar os casos de Graça Moura, ou de Borges, ou ? por todos ? de Vinicius, que lançam indistintamente e sem qualquer rebuço mão de todas as modalidades formais para a sua poesia; e a enunciam de modo sempre superior. É que a rima não desapareceu, nem pode desaparecer; e representa aliás, para quem a cultiva, um método mais difícil e de maior dedicação exigida a quem quer por ele atingir a comunicação poética. É preciso encontrar o ritmo e a narratividade pretendida dentro do quadro que a rima impõe. Noémia Urbano Pinheiro traz-nos, nesta recolha, a primeira publicação em livro de poemas seus, que já vinham circulando nas redes sociais. E é um claro exemplo de como se pode, sem excesso de purismos ou de classicismos, encontrar a tonalidade expressiva através da rima, seja ela perfeita ou imperfeita em termos meramente de classificação formal. Leia-se a abrir:Ó mar, do teu fascínio e poder/ se alimenta todo o meu ser!/ Atraída por ti, ó mar eminente,/ regozijo de alívio ao inalar, novamente,/ teu perfume a maresia. Ou mais adiante, e agora no idioma francês que a autora também domina:Jefouille au fond de moi-mêmeet/ je m'émerveille de trouver/ untrésorsanspareilcaché./Ungrandpuit si beau/ nepeutêtre que fermé à clé./ La générositél'ouvriraetce bel oiseau/ de monc?urjaillira à tout jamais! Que a rima espartilha, é certo; mas também incentiva; e também leva a indagação maior no campo da palavra. A este livro, o primeiro da autora, poderão naturalmente apontar-se algumas fragilidades, que são as de todos os primeiros livros; mas que no futuro a própria autora suprirá, escandindo nas estrofes o que se lhe afigure poder estar a mais; Mas a poesia está aqui, nas palavras e no canto de Noémia Urbano Pinheiro, ora amargurado, ora deslumbrado. E está, como toda a Poesia, em toda a sua graça, a sua inocência, o seu entusiamo. Fernando Cabrita


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias