"Esta web utiliza cookies para facilitar la navegación por ella y para realizar análisis de su uso, incluida la elaboración de perfiles de navegación con fines publicitarios. Si continua navegando, consideramos que acepta su instalación. Para obtener información detallada sobre las cookies que utilizamos, incluyendo cómo configurar su navegador para rechazarlas, pulse aquí."

restauración

ficha técnica

RÚMINO-RESSONÂNCIA
RÚMINO-RESSONÂNCIA
(edición digital)
2018
96
978-989-52-1083-1
Epublication content package
Portuguese
3,00
(IVA inc)*
  • comprar ahora

    tu libro al instante

  • Ver dispositivos compatibles
  • ¿Es la primera vez que compras un eBook? Clica aquí

Permisos sobre el eBook

Copiar/pegar: Prohibido.
Imprimible: Prohibido.

DRM o protección anticopia (para saber qué es clique aquí)

No

sinopsis

Quem tem fome, tem pressa. Come tudo que vê pela frente. Sendo pedra, sendo gente. A fome está por vir sempre, comendo até quando cheia, a vômito-babar, mesmo que exploda, que escorra, que morda, que morra. A fome come as letras, as estrelas, come a pressa, a presa, a si mesma. A fome come a história, as histórias, come as trajetórias de um homem que perde os dias num ônibus que nunca chega ao seu destino final, o passageiro que deseja descer do coletivo e é constantemente impedido, o flautista do metrô (artista da fome?) que tem sua arte ignorada pelos passantes, o uroboro do sonho que come um sonho que come outro sonho, o construtor faminto que tudo destrói com sua fome, a tecnologia que come o ser do homem. A fome que tudo engole: muros, fluídos, furos. Come até a matemática, as flores e os pássaros, a cultura bíblico-erudita ou das massas. A forma da fome é pura e eternamente retorna: para o crânio, para os hábitos, para o seu hálito urbano; e retorna: para a vida, para os muitos, para o único; retorna: para o nome, para o óbvio, para a fome. A fome devora a hora. Aqui, agora.


*Todos nuestros productos incluyen el IVA, ampliar información


comentarios de los usuarios/usuarias